WANDERLINO ARRUDA

SECO SERTÃO

SECO SERTÃO

    Wanderlino Arruda

Longas serras, cactos, distância,
cor de palha, quase cinza,
lonjuras de tons de verde,
tudo escaldante, infinito pó.
Terra e natureza mortas,
vegetal morto, morto o animal.

Em primeiro plano,
quase dentro de quem olha,
a seca é de ano inteiro,
perspectiva com ausência de vida,
em close, somente o sol.
Pouquíssimas presenças,
algo que é, sem nunca ter sido…


http://www.wanderlino.com.br  
http://www.wanderlino.com.br/academia
http://www.wanderlino.com.br/rotary  



Comment On This Poem --- Vote for this poem
SECO SERTÃO

249,344 Poems Read